Blog

Usar máscaras para ocultar falhas não resolve seus problemas reais.
3 de abril de 2018


Amanda vivia em um eterno baile de carnaval. Sim, daqueles famosos onde as pessoas usam máscaras para esconder a sua verdadeira identidade. Ela não queria ser vista como realmente era e se escondia de todos, até de si mesma, ela tinha uma cicatriz no rosto? Não, na alma. As máscaras eram, na verdade, comportamentos de disfarce utilizados para não revelar os muitos pontos falhos e as grandes dores que sentia por estar sempre em estado de desatenção, alternados com hiperfoco e hiperatividade.

Mas o disfarce acabou criando uma verdadeira armadilha na vida de Amanda porque, na juventude, quando começou a perceber suas imensas dificuldades de concentração na escola, as máscaras serviram para esconder o déficit de atenção, enganando a todos, inclusive seus pais.

Na idade adulta, casada, com filhos, uma vida atribulada entre o trabalho e a família, os problemas se tornaram cada vez mais complexos e as máscaras deram lugar a um diagnóstico salvador: eram maneiras para esconder o TDAH. Enfim, ela poderia buscar os tratamentos adequados ao seu transtorno e ser ela mesma, distraída, sim, mas criativa, dona de si e acima de tudo, senhora do seu verdadeiro ser.

Se você, assim como Amanda, desenvolve estratégias para mascarar o TDAH e pensa o tempo todo em como ocultar as falhas decorrentes do transtorno, saiba que essa atitude é mais arriscada do que salvadora.¹ Sim, num primeiro momento você pode pensar que engana a todos, mostrando aspectos irreais do seu comportamento para mascarar o déficit de atenção.

Mas, de tanto fingir, uma hora você pode até esquecer quem realmente é, provocando uma verdadeira crise de identidade. Ou pior, por algum tempo as pessoas ficam realmente iludidas com as suas máscaras e com isso nem a escola nem a família conseguem perceber que você precisa de tratamento, apoio e compreensão para vencer as dificuldades do TDAH. Portanto, o melhor a fazer é deixar a vergonha de lado, expor o que você realmente sente e quem realmente é para encontrar caminhos de cura mais efetivos.

Que sentimentos levam a mascarar o TDAH?

Para começar, a sensação de ser inadequado, de estar sempre errado e o fato de ser continuamente criticado acabam por gerar um sentimento de vergonha.

Palavra que em sua origem inglesa significava esconder ou encobrir. Ou seja, a vergonha é uma coisa muito difícil de lidar, porque tende a ficar escondida e, com isso, nunca será resolvida. Diferente da culpa, que se relaciona a algo que se tenha feito, a vergonha tem a ver com o que você é.

Que triste ter vergonha do que se é! Então, para encobrir as suas verdades, muitos portadores de TDAH criam as máscaras que os protegem de sentimentos ruins² como:

  • Sentir-se isolado e diferente - quando os repetidos fracassos para atingir as expectativas da família, amigos e parceiros resultam na vergonha de ser imperfeito e diferente dos outros.
  • Sentir-se mal consigo mesmo - quando as pessoas que fazem parte da sua vida o acusam de falhar e desistir sempre, por preguiça, ou desobediência, como se estivesse programado para fracassar, o que resulta em baixa autoestima.
  • Raiva contra os que criticam - faz com que as pessoas com TDAH se escondam atrás da raiva contra a fonte da negatividade. Elas temem que os outros as conheçam intimamente e vejam como vivem.
  • Dificuldades com as tentativas de ser perfeito - a pessoa com TDAH avalia constantemente as expectativas de todos em sua vida, para ver o que eles aprovam e valorizam e fazem um enorme esforço para cumprir esse papel perfeito, se esquecendo o que querem de verdade para sua própria vida. Por exemplo, adquirindo compulsão por organização e limpeza na tentativa de esconder toda a sua desordem natural.
  • Desistir de tudo - muitos portadores de TDAH param de fazer coisas no trabalho e em casa a menos que tenham a garantia antecipada de sucesso rápido e fácil, porque não têm a habilidade de manter o esforço por muito tempo. Mas isso costuma ser interpretado como preguiça, levando a pessoa a sentir mais vergonha ainda
  • Vergonha de pedir ajuda - Para pedir ajuda, a criança, jovem ou o adulto precisam admitir suas dificuldades, contar seus fracassos e expor sua vida sem máscaras. Por isso, muitos preferem continuar falhando, o que acaba por atrasar tanto o diagnóstico como os tratamentos possíveis.
  • Culpar os outros - muitos preferem encontrar culpados para a sua incapacidade de resolver os problemas que os fazem sentir vergonha. Ao transferir a culpa, eles aparentemente se libertam da responsabilidades pelos seus erros.

Com que máscara você vai se mostrar hoje?

Entre os muitos disfarces utilizados para mascarar o déficit de atenção, encontramos alguns que talvez você já conheça ou tenha imaginado que seria útil em determinadas situações.

Até parece um verdadeiro vale tudo para esconder tantas falhas que se repetem, quando ninguém parece entender o que realmente ocorre no seu cérebro. Os especialistas³ destacam sete máscaras mais comumente utilizadas pelos portadores de TDAH:

  • O Perfeccionista pensa que deve fazer tudo perfeitamente, supondo que talvez ninguém perceba que o resto da sua vida é uma bagunça. O perfeccionista trabalha tão fortemente para compensar excessivamente o TDAH que pode acabar apresentando “problemas de controle”.
  • O Piadista tenta fazer da vida uma festa divertida, com piadas para que as pessoas riam com elas e não dele, pensando que assim elas não notam seus erros. Ele adora ser o centro das atenções quando a resposta é positiva, mas as pessoas não vêem o palhaço chorando por dentro.
  • O Inteligente quer que as pessoas vejam o quão inteligente ele é, superando todos na sala de aula ou de reuniões. Mas para isso o intelecto funciona tão duro tentando ser brilhante, que a pessoa muitas vezes desmorona depois de uma intensa sessão de “brainstorming”.
  • O Perdedor é uma verdadeira ovelha negra, que assume a culpa de tudo e sente que é sempre o pária, não importa o quanto tente agradar o outro. O perdedor odeia ser rotulado, mas é condenado a uma vida de subentendimento e autopiedade.
  • O Cadete do Espaço é o típico avoado que costuma ser chamado de cabeça de vento durante toda a vida porque tem problemas para prestar atenção. Ele está ferido por falsas acusações, mas aprendeu a se tornar burro, então as pessoas não esperam muito dele.
  • O Super Herói sempre ajuda outras pessoas e, para ele, quanto maior a crise, melhor. Generoso para todos, o Super Herói ganha amigos por ser indispensável, mas nunca pede ajuda para si mesmo.
  • O Rebelde reage às pessoas com observações irritadas ou arrogância, usando-- os como um escudo protetor contra críticas e intimidade.

Como vimos, tanto para adultos como para crianças e jovens com TDAH, a necessidade de ocultar é tão aguda que eles usam e abusam de máscaras para esconder sua vergonha, que na realidade é uma grande dor. Seus seres autênticos estão tão danificados que eles não querem que ninguém veja.

Mas, o que eles mais querem na verdade é serem amados pelo que são, sem máscaras nem disfarces, apenas com aceitação e apoio às suas imensas necessidades. Mas como ser amado se a própria pessoa não se ama nem se aceita com suas limitações? O primeiro passo é deixar cair todas as máscaras e amar de verdade o Eu verdadeiro. Mas para isso você precisa ir devagar, depois de ter passado uma vida com o anteparo das máscaras, a ponto de até esquecer que as estava usando. Lembre que elas o protegeram no passado, por isso liberte-se com amor.

Não tente soltar os disfarces de uma só vez, mas tenha sempre o cuidado de não voltar aos velhos hábitos de se esconder atrás deles. Programe-se para fazer isso ao longo do tempo, paulatinamente, até porque você viveu na sua máscara por tanto tempo que as pessoas próximas podem não gostar do seu verdadeiro Eu.

Claro que você não quer mais rejeição do que pode suportar, mas também não vai permitir que as pessoas o façam desistir da mudança, ou melhor, da vida real. Para facilitar, seja sincero sobre esse processo de retirar as máscaras e procure se cercar de pessoas que o amem pelo que você realmente é.

Quando você desbloquear o seu verdadeiro Eu, poderá enfim aproveitar o imenso potencial criativo do cérebro com TDAH. Então o seu Self autêntico vai brilhar e você nunca mais saberá que um dia precisou de máscaras para esconder suas falhas, nem a vergonha que sentia delas.

 

Referências:
1. THE-MIGHTY. I used to hide the symptoms of my mental illness out of shame. Disponível em: <https://themighty.com/2016/06/hiding-symptoms-of-adhd-and-bipolar-disorder/>. Acesso em: 18 Mar. 2018.
2. ADDTITUDE-MAG. ADHD in Exile: When the Shame of Living with a Disorder Is Worse Than the Disorder Itself. Disponível em: <https://www.additudemag.com/slideshows/adhd-and-sha-me/>  Acesso em: 18 Mar. 2018.
3. ADDTITUDE-MAG. 7 Masks We Use to Hide Our Faults. Disponível em: <https://www.additu-demag.com/adhd-stigmas-hiding-faults/>  Acesso em: 18 Mar. 2018.

Muito obrigado pelo seu comentário! Essa página é um projeto desenvolvido pela Shire Farmacêutica Brasil Ltda. Todos os conteúdos postados são moderados devido às normas que regulamentam as atividades da indústria farmacêutica (farmacovigilância, compliance, médica e jurídica). Obrigado!

Mantenha-se informado