Blog

TDAH não é desculpa!
20 de fevereiro de 2018


Toda vez que alguém apontava um comportamento inadequado ou quando Lucas esquecia alguma coisa, ele tinha sempre uma frase pronta: “Ahhh mas eu tenho TDAH”. Claro que as pessoas se irritavam, quase ninguém entendia a sigla e para quem entendia a frase soava ainda mais “esfarrapada”. Como aliás costumam ser as desculpas frequentes, inclusive para as pessoas que não sofrem com esse distúrbio, mas vivem se escondendo atrás de todo tipo de dificuldade para não fazer o que é preciso, muitas vezes deveres básicos. Esse tipo de pessoa adora se fazer de vítima para não assumir as suas responsabilidades nessa vida, mas TDAH não é desculpa.

Pode até ser que os esquecimentos e atrasos frequentes sejam um sintoma do distúrbio que ainda não foi diagnosticado, ou são apenas comportamentos já adotados pelas pessoas que não se importam com os efeitos das suas falhas e se escondem atrás de todo tipo de argumento para justificar o injustificável.

Mas será que o TDAH pode ser desculpa para todas as falhas? Ou é melhor entender que TDAH não é desculpa e procurar ajuda profissional para vencer as dificuldades? Inclusive, quanto mais as pessoas se escondem por trás das suas falhas, sejam elas portadoras ou não de TDAH, menos elas se esforçam para melhorar. Como consequência, encontrarão obstáculos ainda maiores, seja no aprendizado, na escola, no trabalho ou mesmo nos relacionamentos. Claro que ninguém quer ampliar esse quadro negativo, então vamos ver o que pode ser feito pra mudar isso tudo. Sem desculpas, com atitudes positivas!

Pense nas suas dificuldades com o TDAH como uma oportunidade de assumir o controle da sua vida e não como uma saída fácil para se livrar de todas os problemas que virão de uma forma ou outra. Até porque nem todas as pessoas vão aceitar essas desculpas em sequência, mesmo as mais amigas e as que o amam. Além disso, você acabará criando uma imagem bem negativa, como um incapaz de quem não se espera nada melhor. Pense no quanto esse afastamento das pessoas mais próximas e essa imagem podem barrar as boas oportunidades reservadas para a sua vida! Por isso, antes tarde do que nunca, assuma que você tem alguns comportamentos impulsivos, distrações, desatenção e esquecimentos e adquira poder sobre tudo isso. Sim, isso é bem possível.

O Lucas, por exemplo, assim como outros portadores de TDAH sentia-se fora de controle, acreditando que tudo de errado acontecia na sua vida, por sua culpa ou não. Claro que se sentir inadequado e vítima passiva de um distúrbio tem suas consequências e elas nunca são positivas. Mas ele foi buscar ajuda profissional quando tudo se tornou insuportável, até porque nem ele aguentava mais viver de desculpas.

Adotar ativamente a mudança de atitude, com estratégias de enfrentamento dos sintomas faz com que pessoas como o Lucas transformem em ações efetivas as suas boas intenções. E então tudo começa a mudar, do olhar das pessoas, às novas portas que se abrem. Não como um passe de mágica, mas como um processo que cada um inicia a partir da decisão de buscar ajuda e se comprometer com suas atitudes e comportamentos. Por exemplo, ao entender que você tem dificuldade para lembrar de compromissos, contas a pagar e tarefas da escola ou do trabalho, você pode procurar recursos de apoio. Desde ter um bilhete colado no espelho, ou uma agenda digital com avisos no celular, até aplicativos como o Focus, ou mesmo combinar com alguém próximo para lembrar.

Ao entender o que não funciona bem para você e aceitar as suas limitações você pode estabelecer estratégias e se empenhar para cumprir o que planejou para vencer cada uma delas. O mesmo vale para os comportamentos impulsivos, quando você interrompe a fala de alguém, ou mesmo reage de forma um pouco mais agressiva. Não adianta pedir desculpas e no minuto seguinte repetir tudo. Fique atento às suas reações, aprenda a respirar fundo antes de falar, agir, comprar, decidir. Cada vez que você consegue vencer a impulsividade é um passo para futuros sucessos nessa questão, até que um dia você percebe que pode assumir o controle da sua vida apesar dos sintomas do TDAH. Grande vitória que pode ser alcançada com determinação e treino.¹

Quer acabar com as desculpas? Veja algumas dicas a seguir:

  • Faça uma lista com todas as desculpas que você costuma utilizar e provocam uma percepção negativa a seu respeito. Isso cria consciência sobre as situações em que você pode melhorar, ao invés de se desculpar.
  • Avalie o que você pode fazer diferente da próxima vez. Por exemplo, chegar atrasado de novo na reunião. Planeje-se para sair de casa mais cedo, deixe tudo organizado antes para não se atrasar, mas se ainda assim acontecer, entre na sala, sente e preste atenção para se envolver com o tema. Evite desculpas ou explique reservadamente para a pessoa que importa só depois da reunião. Pronto, você já deu um passo em outra direção. O seguinte é não se atrasar mesmo.
  • Planeje tudo: da reunião na empresa ao jantar com os amigos. Use listas, lembretes, bilhetes para você mesmo, o que for preciso para se organizar com antecedência e deixe tudo junto, na porta, para não ficar procurando na última hora. Isso facilita a vida e evita os atrasos procurando a chave do carro, a carteira, a bolsa ou sua mochila de trabalho. Use o despertador do celular como alerta para tocar 15 minutos antes da hora de sair, assim você ainda tem um tempo para organizar tudo e sair com mais tranquilidade.²

Quando o TDAH é a desculpa dos pais para as crianças impossíveis.

Para começar é bom saber que nem sempre é certeza de ter um diagnóstico de TDAH quando uma criança, jovem ou adulto apresentam comportamento inadequado e impulsivo, excesso de agitação e desatenção constante. Como saber se tenho TDAH é a pergunta básica em todos os casos e que só um profissional especializado pode diagnosticar.

O psiquiatra da UFRJ Paulo Mattos, autor do livro “No Mundo da Lua”, em entrevista no programa Marília Gabriela, explicou os sintomas do TDAH : “São crianças que apresentam um exagero na inquietude, na desatenção e na impulsividade”. Observe que a palavra exagero faz diferença na frase, mas ainda assim, para ter certeza só mesmo com um diagnóstico bem cuidadoso. É bom lembrar que o TDAH é um transtorno neurobiológico, ligado ao desenvolvimento e operação de algumas áreas do cérebro, o que inclusive já foi comprovado cientificamente com imagens de ressonância.

Claro que os pais devem ficar atentos e apoiar os filhos buscando o tratamento mais adequado, além de oferecer todo o suporte para contornar as suas capacidades reduzidas, controlar atitudes e se concentrar em atividades. Mas os pais também devem ser alertados para não usar o TDAH como desculpa para a falta de limites e o mau comportamento de uma criança. A atitude de vitimizar a criança oferecerá a ela um caminho certo de desastres, com “muletas” que não resistirão à realidade da sua vida adulta. Essa postura apenas contribui para aprisionar o portador em suas próprias dificuldades e em nada contribui para a superação das suas limitações.³

Ao contrário, quando os pais assumem uma postura mais positiva, participam das atividades escolares, apóiam efetivamente seus filhos com presença, incentivo e suporte adequados, o desempenho escolar só melhora. Por isso, ao invés de dizer: “coitadinho, ele tem TDAH”, o melhor que os pais têm a fazer é reservar um tempo para estudar junto com a criança, sentar e comer com ela, participar de passeios e jogos, estimulando os comportamentos mais adequados. Com isso a autoestima aumenta e a criança se sente mais responsável pelas suas atitudes. O que certamente vai contribuir para que se torne um adulto muito mais adequado no seu comportamento em posturas sociais e profissionais.4

 

Referências:
1. ADDITITUDE-MAG. Why You Should Take Control of Your ADHD. Disponível em: <https://www. additudemag.com/take-the-wheel/>. Acesso em: 10 Jan. 2017.
2. ADDITITUDE-MAG. “I Make A Lot Of Mistakes — But You’ll Get Used To It.”. Disponível em: <https://www.additudemag.com/stop-making-excuses/>. Acesso em: 10 Jan. 2017.
3. EM-SALA. TDAH: transtorno, e não muleta!. Disponível em: <http://www.emsala.com.br/tdah--transtorno/>  Acesso em: 10 Jan. 2017.
4. METROPOLES-E-DUCAÇÃO. TDAH não é desculpa para um desempenho escolar ruim. Disponível em: <https://www.metropoles.com/colunas-blogs/e-ducacao/tdah-nao-e-desculpa--para-um-desempenho-escolar-ruim>  Acesso em: 10 Jan. 2017.

Muito obrigado pelo seu comentário! Essa página é um projeto desenvolvido pela Shire Farmacêutica Brasil Ltda. Todos os conteúdos postados são moderados devido às normas que regulamentam as atividades da indústria farmacêutica (farmacovigilância, compliance, médica e jurídica). Obrigado!

Mantenha-se informado