Blog

Qual a relação do TDAH com a Obesidade?
13 de janeiro de 2020


Desde criança Larissa comia compulsivamente e aos poucos foi se tornando obesa sem que ninguém suspeitasse da relação entre TDAH e obesidade.

Quando o diagnóstico de TDAH finalmente foi confirmado, a família descobriu que o transtorno também resulta na falta de controle do impulso alimentar. Com isso alguns pacientes com TDAH comem muito, mesmo sem fome e em curto espaço de tempo.

É tudo uma questão de química, porque o TDAH altera a química do cérebro e como consequência altera o comportamento. Como os neurotransmissores, dopamina e noradrenalina, são afetados, a produção diminui e causa problemas no sistema de recompensa do cérebro. Esse neurotransmissor é responsável pelo autocontrole e, por isso, o ato de comer torna-se impulsivo e compulsivo.¹

Pessoas com TDAH também costumam optar por alimentos mais calóricos e gordurosos e essa opção se conecta com a teoria de que o excesso de açúcar no organismo promove a diminuição nos receptores de dopamina. Enfim, tudo parece parte de um círculo vicioso cuja consequência é a obesidade.

Também já está comprovado que existe um gene comum que facilita a obesidade e o TDAH e as pessoas que possuem esse gene podem ter os dois problemas. Por outro lado, a obesidade pode ter como consequência a apneia do sono, a pessoa dorme menos e fica mais cansada durante o dia, o que leva a um déficit de atenção secundário à obesidade.

Comprovação científica sobre TDAH em pessoas obesas

Os pesquisadores descobriram que indivíduos diagnosticados com TDAH ou obesidade têm maior probabilidade de escolher recompensas imediatas menores do que recompensas futuras maiores. As descobertas desses novos estudos são paralelas a um estudo de 2011, realizado pelos mesmos autores, que constatou a capacidade de retardar a gratificação reduzida em indivíduos diagnosticados com transtornos aditivos.²

Os estudos liderados pelos doutores James MacKillop e Michael Amlung, do Peter Boris Center for Addiction Research, da Universidade McMaster e da St. Joseph’s Healthcare Hamilton, foram publicados na Biological Psychiatry: Neurociência Cognitiva e Neuroimagem e Medicina Psicológica. Segundo o Dr. MacKillop “esses estudos sugerem que, apesar das diferentes tarefas experimentais, idades e modelos de estudo, a orientação imediata à recompensa é fortemente elevada tanto no TDAH quanto na obesidade”.

As pesquisas apontam que a dificuldade em esperar recompensas, gratificações e o cumprimento de expectativas positivas unem pacientes obesos e portadores de TDAH. Os dois grupos apresentam problemas para se controlar quando pretendem atingir logo um objetivo. Nos obesos, a busca pelo alimento pode ser interpretada como um atalho para reduzir o sofrimento de esperar gratificações. Os estudos também têm mostrado a associação frequente do TDAH com a obesidade e a causa seria a dificuldade em esperar recompensas. Trabalhos têm mostrado ainda que o TDAH aumenta em três vezes o risco de obesidade.³

Como pessoas com TDAH podem evitar a obesidade

A obesidade associada ao TDAH requer uma abordagem diferente dos regimes tradicionais de emagrecimento. Um plano de ação com metas gerenciáveis, objetivos realistas e acompanhamento frequente dos progressos parece ter mais efeito do que as dietas altamente restritivas.

Lembre que nem mesmo as pessoas sem déficit de atenção conseguem manter dietas radicais por longos períodos, mas você pode começar pensando em duas frentes de ação: buscar o equilíbrio da dieta alimentar e se envolver em um programa de exercícios físicos.4

1. Controle alimentar

  • Coma ao longo do dia. Não pule as refeições porque você está muito ocupado ou distraído. É muito mais provável que você acumule calorias não saudáveis quando bater aquela fome. Lance Levy, MD, afirma que comer várias mini-refeições ao longo do dia fornece uma “fonte de estímulo contínuo que pode diminuir os sentimentos de inquietação em pessoas com TDAH”.
  • Elimine a tentação do TDAH. Evite comer impulsivamente, criando um ambiente alimentar que promova uma alimentação saudável. Isso significa livrar sua casa de alimentos calóricos como doces, chocolates e batatas fritas. Palitos de mussarela parcialmente desnatados, ovos cozidos, iogurte, barras de proteínas, frutas secas, nozes e sementes, maçãs e laranjas são ótimas opções.
  • Evite dietas radicais, elas produzem um efeito bumerangue que pode resultar em um peso maior do que quando você começou. A mudança de peso sustentada requer mudanças progressivas em sua dieta e seu comportamento. Coma refeições equilibradas e faça alterações em sua dieta que você consiga manter ao longo do tempo.

2. Exercícios liberam dopamina

  • Pratique atividades físicas regularmente. Nos adultos com TDAH, exercícios podem aumentar os níveis basais de dopamina e noradrenalina, estimulando o crescimento de novos receptores em certas áreas do cérebro, regulando ainda mais a atenção e reduzindo a tentação de aumentar a dopamina através dos alimentos.
  • Misture seu treino. Esteiras, máquinas elípticas e bicicletas ergométricas oferecem excelente atividade cardiovascular, mas também podem entediar muito rapidamente. O treinamento com intervalos mantém o interesse e alterna uma pequena explosão de exercícios de alta intensidade com sessões de atividade de baixa intensidade, queimando mais gordura em 20 minutos do que os exercícios mais longos.
  • Tenha metas realistas. Quando se trata de exercício, muitos adultos com TDAH estabelecem metas muito altas, o que prepara o cenário para o fracasso. Por exemplo, se você diz que vai se exercitar por 30’’, mas gerencia apenas 15’’, pode se sentir tão desanimado que pula a próxima sessão de exercícios.

É importante permanecer motivado para continuar firme nas suas decisões de controlar a dieta e se manter ativo com um bom plano de exercícios físicos. Você vai precisar de apoio para isso e pode pedir ajuda para amigos e familiares que se disponham a acompanhar sua jornada contra a obesidade.

Lembre que a obesidade pode ter consequências graves para a saúde e não é apenas uma questão de aparência física. Portanto, convoque as pessoas próximas, compartilhe com elas suas metas e peça que acompanhem suas vitórias e eventuais dificuldades. O TDAH não será um fator determinante para o seu peso se você estiver disposto a controlar sua vida.

Referências:
1 . TDAHDescomplicado. TDAH Pode-Acarretar-Compulsão-Alimentar-E-Obesidade. Disponível em: <tdahdescomplicado.com/tdah-pode-acarretar-compulsao-alimentar-e-obesidade/> Acesso em: 02 de Dezembro de 2019
2. NewsMedical. Individuals-Diagnosed-With-ADHD,-Obesity-Have-Reduced-Ability-To-Delay-Gratification. Disponível em: <www.news-medical.net/news/20160615/Individuals-diagnosed-with-ADHD-obesity-have-reduced-ability-to-delay-gratification.aspxAcesso em: 02 de Dezembro de 2019
3. NeuroSaber. Dificuldade-Em-Esperar-Recompensas-No-Cotidiano:-Um-Problema-Para-Obesos-E-Portadores-De-TDAH. Disponível em: <neurosaber.com.br/dificuldade-em-esperar-recompensas-no-cotidiano-um-problema-para-obesos-e-portadores-de-tdah/Acesso em: 02 de Dezembro de 2019
4. AdditudeMag. The-ADHD-Dopamine-Link:-Why-You-Crave-Sugar-And-Carbs. Disponível em: <www.additudemag.com/slideshows/adhd-obesity-link/?src=embed_linkAcesso em: 02 de Dezembro de 2019

Muito obrigado pelo seu comentário! Essa página é um projeto desenvolvido pela Shire Farmacêutica Brasil Ltda. Todos os conteúdos postados são moderados devido às normas que regulamentam as atividades da indústria farmacêutica (farmacovigilância, compliance, médica e jurídica). Obrigado!

Mantenha-se informado